terça-feira, 12 de dezembro de 2017

NOTA DA UNICA SOBRE A SOLTURA DO CABO M. SOUZA

É com muita alegria e satisfação que comunicamos a soltura do nosso companheiro, Cabo M. Souza. Associado e guerreiro pra todas as horas já está no seio de sua família. A dedicação de todos nesse processo foi de extrema importância nessa batalha contra as injustiças. A atuação de Dr. Raphael Britto, incansável na busca pela justiça, foi imprescindível. Marcelo demonstra sua satisfação, seu alívio e sua força de continuar na batalha contra a criminalidade e contra as injustiças postas à nossa classe.

#UNICABASEFORTE
#ORGULHODESERPRAÇA


segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

QUEM FAZ PREVENÇÃO NÃO PRECISA DE REPRESSÃO.



Mais um dia com  homicídios de jovens envolvidos em algo ilícito.

Onde fica a discussão de quem é a culpa, de quem é o planejamento? Saiam das salas com ar-condicionado e deixem de andar só em bairros nobres, fazendo uma visita nas periferias e aí sim saberão o que tá acontecendo de verdade na cidade violenta, onde os jovens estão perdendo suas vidas e as famílias perdendo seus entes queridos.

O segredo é políticas públicas de prevenção ao uso de drogas.

Vamos começar a prevenção dando ocupação a esses jovens, através do esporte e atividades culturais, seguindo o que fazem os  países de primeiro mundo, que usam o esporte como prevenção.

Quem faz prevenção não precisa de repressão.

Artigo escrito pelo Cabo Didi do Batalhão de Radiopatrulha e fundador do Projeto Fumaça Zero Droga Jamais.

NOTA


NOTA UNICA (União da Categoria Associada)

Na manhã desta segunda feira, 11, noticiou-se acerca de um Projeto do Governo do Estado na Alese que congelaria por dois anos os gastos com as despesas primárias, ou seja, a primeira despesa do Governo, aquela que ele dispõe para executar suas politicas públicas e pagamento de salários dos servidores.

O presidente desta entidade representativa, Will Guerreiro, deslocou-se a Alese para procurar os esclarecimentos sobre este projeto. A informação adquirida naquela casa foi que a pauta foi retirada.

O congelamento das despesas primárias afetam diretamente as politicas publicas e causa a defasagem dos salários dos servidores que nada tem haver com os desmantelos do desgoverno.

Em relação à Lei do Subsídio, já aprovada e parte já em vigor, dos servidores militares, este projeto de congelamento nada tem haver com a implantação e sim com a defasagem através do congelamento proposto.

Outra discussão ainda em torno da implantação, foi com relação a LRF (Lei de Responsabilidade Fiscal) que não pode ser desculpa para o não cumprimento do disposto na Lei Complementar Nº 278 de 1º de Dezembro de 2016, que fixa o subsidio mensal dos Servidores Militares do Estado de Sergipe. 

É vasto os precedentes jurisprudenciais a favor dos servidores públicos. Se o Secretário da Fazenda não quiser correr o risco de ser preso por crime de desobediência, se o Governador não quiser um desgaste Judicial e Politico em 2018 e um grande problema no Estado, esperamos o cumprimento da LEI.

11/12/17

ASCOM

A BATALHA DE DAVI E GOLIAS


Algumas narrativas bíblicas evidenciam fatos pretéritos que narram histórias e personagens que encararam os medos e que de alguma forma se repetem nos diversos cenários da vida cotidiana.

Uma delas diz respeito a um jovem pastor de ovelhas, chamado Davi, o menor dos irmãos, que fora visitar os irmãos em um campo de batalha em que o povo judeu estava prestes a enfrentar os temerários Filisteus.

Os exércitos haviam montado acampamento e estavam posicionados para a batalha. Ao longo de vários dias esses adversários se observavam mutuamente. E então um guerreiro filisteu de 2,90 metros de altura, de forte vigor físico, chamado Golias, fortemente armado, passou a avançar todos os dias para o centro do campo de batalha e a gritar para as tropas de Israel.

Ele desafiava algum homem do exercito israelita a lutar com ele. E não seria apenas uma luta entre dois homens, mas seria a luta que definiria o resultado da guerra.

Os israelitas temiam diante dos brados do Filisteu. Ao ouvir aquele desafio rotineiro, Davi ficou indignado e se dispôs a enfrentá-lo. A iniciativa se afeiçoaria a loucura, com chances remotas de vitória de um franzino pastor de ovelhas vencer qualquer duelo com um gigante profissional em amedrontar as forças adversárias, em desestabilizar qualquer levante inimigo.

O final desta historia todos já conhecem. Traços do texto trazido acima foram utilizados por um jovem procurador do MPF que dicidiu lutar contra o sistema corrupto governamental do país. Deltan Dallagnol, em uma palestra, falava sobre os medos de enfrentar os grandões com a força-tarefa da Lava-Jato.

Para policias militares e principalmente para os representantes de classe, o breve relato ganha outra conotação, não tão diversa posto que ainda trata-se dos “medos” de lutar.

Por tanto tempo, praças das Policias Militares do Brasil tiveram seus direitos ocultados frente aos interesses de uma classe dominante e opressora dentro dessas Instituições. Interesses esses que são diversos aos interesses do bem comum, aos interesses da população e da Segurança Pública.

Em Sergipe, presenciamos casos de praças submetidos a determinações conflitantes acerca da interposição de Atestados Médicos no ceio da Corporação, prisões de praças com flagrante ilegalidade, ameaças, assédios, abusos de autoridade, improbidades administrativas. E o policial não tem o direito sequer de questionar o ato administrativo, não tem o direito sequer de sanar dúvidas acerca de um direito violado, pois imediatamente é transferido de sua unidade, que não é motivado nem pelo interesse pessoal do policial e muito menos pelo interesse do serviço público.


Com isso queremos falar aos associados que precisamos de mais “Davis” que se indignem, mas que se disponham a ir para a batalha, pegar as suas armas e partir para vencer os “Golias” que trabalham na supressão de nossos direitos. Vencer os medos, ter fé, acreditar em si, para superar os desafios e promover a justiça escrevendo uma nova história para a Classe que ainda não descobriu a força que tem.

Ascom

quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

EM AUDIÊNCIA DE CUSTÓDIA PM CONTINUA PRESO



No dia de hoje, 06 de dezembro de 2017, o Cabo PM M. Souza, preso acusado de insubordinação após ter se envolvido em ocorrência na qual prendeu dois indivíduos armados e recuperado uma moto roubada, passou por audiência de custódia e para nossa surpresa e decepção a decisão proferida foi no sentido da continuidade da prisão do Cabo mesmo este sendo réu primário e tendo residência fixa.

Contudo informamos que o militar em tela continua sendo acompanhado pelo Dr. Raphael Brito e toda a assessoria jurídica da UNICA, além do apoio de psicóloga que foi disponibilizado pelo Vereador Cabo Amintas que vem dando todo o suporte psicológico à família do militar. E que continuaremos tentando colocar o nosso associado o mais rápido possível em liberdade e de volta ao seio familiar até porquê a esposa do mesmo encontra-se gestante e depende muito da presença de seu marido em casa.